Pra compensar o dia sem postagem

Um dia sem postar. Já estou pensando em uma punição. Ouvir o disco da Mallu Magalhães? Achei pesado…

Bom, as listas e as retrospectivas já pipocam por aí. O jornal The Boston Globe publicou o que elegeu como as melhores fotos de 2008, em três partes. Começa aqui.

Só alguns exemplos (Nem tem graça postar fotos nesse blog de 400px de largura. Humpf!):

REUTERS/Marco Dormino/Minustah

Resultado de uma tempestade tropical no Haiti, em setembro. Resultado: 90 mortos

AP Photo/ Ricardo Moraes

Uma das representantes brasileiras, mas infelizmente o motivo da foto não é bom. 4 mil bexigas foram colocadas em Copacabana como uma forma de demonstrar a previsão de que 4 mil pessoas seriam vítimas da violência no Rio de Janeiro nos próximos 6 meses.

Sem créditos

Essa é daquelas fotos que não mostra imagens impressionantes ou espetaculares, mas é carregada de significado. É o flagrante de uma reunião na sede do Lehman Brothers, o primeiro banco norte-americano a cair com a crise financeira mundial. Talvez, este tenha sido o último encontro desses executivos…

Links do dia

Não que eu seja referência pra alguém nesse mundo, mas deixo aqui três links para tornar a sua navegação um pouquinho melhor:

  • A gravadora britânica 4AD resolveu lançar uma coletânea virtual, com as melhores músicas do ano do seu plantel (obviamente). O resultado está aqui, num arquivo zip de quase 40 MB. Destaque para Breeders e TV on the Radio, banda que aparece em 9 de cada dez listas de melhores do ano;
  • Meu amigo Rynaldo Papoy está escrevendo um livro on-line chamado “Noite“, que conta a história dos 13 anos em que ele trabalhou como barman. Diz ele que tem histórias cabeludas, dessas que tem de mudar o nome dos envolvidos e tudo mais…;
  • No bairro do Itaim existiu por 17 anos uma loja de discos chamada Nuvem Nove. Não frequentei, mas conheço de nome, tem história. E já tem um documentário sobre a loja aqui, dividido em duas partes. É um pouco longo (a primeira parte tem quase 50 minutos), mas vale a pena, principalmente se você é amante de cultura pop e música.

Outra Versão #63

Mais uma edição do nosso premiado Outra Versão.

Antes, uma errata: No programa dessa semana, me refiro ao Gilberto Gil como ministro pelo fato de eu ter gravado essa locução quando ele ainda ocupava o cargo de Ministro da Cultura. Todos sabem que ele já saiu, não é?

Seguem as músicas de hoje:

Queen of Japan – I Was Made for Loving You;
Los Hermanos – Eu Vou Tirar Você desse Lugar;
Gilberto Gil e Rita Lee – De Leve.

Para baixar o mp3, sem atravessadores, clique aqui.

Até o próximo Outra Versão (sem férias, hein!).

Elektrocardiogram

Já está no site oficial e pipocando nos Twitters mundo afora: Kraftwerk vai abrir os shows do Radiohead.

Quando eu tinha um podcast de música eletrônica, incluí uma música dos caras nesse programa. Clique aqui e baixe o mp3.

Festa de despedida

Quem nunca pensou em barbarizar no último dia de trabalho? Dar aquela píaba na nuca do chefe, sacanear o (a) chato (a) do trampo ou ainda promover algum dano físico ao estabelecimento. E, obviamente, civilizados que somos, isso acaba só ficando em pensamento mesmo. Os votos de “boa sorte” e “tudo de bom” dos então ex-colegas valem mais.

Não foi o que aconteceu há alguns dias na UEL, quando parte da turma formanda em medicina resolveu entrar no hospital universitário e causar. Sobrou até para alguns pacientes, que foram xingados gratuitamente pelo bando de quase-médicos arruaceiros.

A UEL, então, abriu um processo de investigação interna, além do processo que corre na justiça. Ontem, o juíz Mario Nini Azzolini, da 5ª Vara Cível de Londrina, decidiu que, sim, a formatura desse alunos deve ser feita NORMALMENTE, a fim de que eles não sejam culpados antes do julgamento.

Às vezes reclamamos da morosidade da justiça, que tudo demora… está aí um dos motivos. Nâo basta ter imagens e dezenas de testemunhas dizendo que aqueles distintos estudantes fizeram tudo aquilo. A justiça acaba perdendo tempo (dela e nosso) com esses detalhes.

A notícia da Folha Online ainda explica que, ocorrendo a formatura, o processo interno é automaticamente cancelado, pelo fato do término do vínculo entre os irresponsáveis e a universidade. De repente, mas uma impunidade vem por aí. É só aguardarmos. Muito, porque o processo é lento.